factores de risco

MUPi FTBC 2007 rsO cancro da mama é o cancro mais comum nas mulheres. Embora as causas exactas sejam desconhecidas, há factores de risco conhecidos que podem aumentar a probabilidade de vir a ter um cancro da mama.

O risco de desenvolver cancro da mama ao longo da vida é de 1 em 11 em Portugal e um factor de risco é o aumento da idade; 80 por cento de todos os tipos de cancro da mama ocorre em mulheres com mais de 50 anos. Quanto mais avançada a idade, maior o risco. Isto quer dizer que 1 em cada 11 mulheres em Portugal desenvolverá cancro da mama em algum momento da sua vida – mas obviamente isto também significa que 10 em cada 11 mulheres não irão desenvolver cancro da mama ao longo da vida. 

Saiba mais sobre o seu risco: http://prevenir.cancronafamilia.com/cancro-da-mama/#.U4yBxrWHDQs.facebook

 

 

 

Estimativa de risco de desenvolvimento de cancro da mama, de acordo com a faixa etária:

·         Risco até aos 25 anos de idade, 1 em 15.000

·         Risco até aos 30 anos de idade, 1 em 1.900

·         Risco até aos 40 anos de idade, 1 em 200

·         Risco até aos 50 anos de idade, 1 em 50

·         Risco até aos 60 anos, 1 em 23

·         Risco até aos 70 anos de idade, 1 em 15

·         Risco até aos 80 anos de idade, 1 em 11

·         Risco até aos 85 anos de idade e superior, 1 em 10

·         Risco durante a vida (todas as idades), 1 em 11 

Como somos todos diferentes, não seremos afectados da mesma maneira pelos factores de risco conhecidos. Ligar a causa do cancro da mama a determinado factor de risco não é possível para a maior parte das pessoas, a não ser que se demonstre que haja um factor de risco conhecido e específico, tal como ser portador de uma alteração nos genes BRCA, que aumentam muito a probabilidade de vir a ter um cancro da mama.

O que é o factor de risco?

O risco mede as hipóteses de algo acontecer. Há muitas formas de se representar o risco. O risco é normalmente comunicado por profissionais da saúde e pelos meios de comunicação, de duas formas – risco relativo e risco absoluto.

  • Risco relativo: a probabilidade de algo acontecer a uma pessoa exposta a um risco em particular, comparado com aqueles que não estão expostos a esse risco.
  • Risco absoluto: as probabilidades de algo acontecer a uma pessoa num período de tempo.

O risco pode ser comunicado de várias formas, desde simples descrições por palavras a longos estudos comparativos. É importante lembrarmo-nos de que o risco nem sempre é comunicado de forma eficaz e pode ser difícil determinar o que o risco significa na vida de uma pessoa, em termos reais.

O que significa para mim?

A percepção do risco pode ser influenciada por factores económicos, sociais e culturais, assim como pelas nossas experiências pessoais. Ou seja, quando recebemos uma informação sobre um risco, nós formamos um juízo de valor baseado em muitos factores, tais como as nossas experiências passadas, a informação transmitida pelos meios de comunicação, e ainda as informações da nossa família e amigos. 

Sabemos que o cancro da mama é uma doença complexa influenciada pela genética, escolhas de vida e factores ambientais. Muitos destes factores estão fora do nosso controlo.

Alguns factores podem ser influenciados por uma mudança na escolha de estilo de vida, por exemplo mantendo um peso saudável, apesar de isto não impedir o cancro da mama de se desenvolver. Antes de mudar de estilo de vida, os riscos e benefícios devem ser ponderados claramente, já que estas mudanças poderão afectar a sua qualidade de vida e aumentar o seu medo de vir a desenvolver cancro da mama.

Prevenir o cancro da mama?

Sendo as causas de cancro da mama desconhecidas, não podemos prevenir o aparecimento do cancro da mama. Algumas mulheres (raras) que sabem que têm um dos genes BRCA alterado pois fizeram a pesquisa (devido a uma história familiar ou pessoal muito pesada) podem fazer tratamento preventivo, tais como cirurgia de redução de risco ou ensaios clínicos com medicamentos, mas estes tratamentos apesar de reduzirem muitíssimo o risco de cancro da mama não o removem por completo

Como as hipóteses são aumentadas

À medida que for lendo o texto, poderá achar que um ou mais factores de risco se aplicam a si. Contudo, isto não significa necessariamente que as suas hipóteses de desenvolver cancro da mama aumentem, já que as causas exactas permanecem desconhecidas.

Idade

As hipóteses de ter cancro da mama aumentam com a idade mas é importante manter-se alerta qualquer que seja a sua idade; estudos têm demonstrado que, se o cancro da mama for detectado cedo, há mais hipóteses de tratamento e o resultado final é normalmente melhor.

No entanto, quando se diz que as mulheres têm uma hipótese em cada onze de desenvolver cancro da mama aos 85 anos, não se refere a uma hipótese de uma em cada onze mulheres mais jovens, refere-se ao risco em toda a vida. Para mulheres na casa dos 20, o risco não é superior a 1 em 15.000 mulheres.

Sexo e hormonas

Tanto homens como mulheres podem ter cancro da mama, apesar de serem as mulheres quem mais desenvolve esta doença. Isto porque as hormonas representam um papel importante no desenvolvimento e tratamento do cancro. Para alguns pacientes, são usados tratamentos anti-estrogénios para combater o cancro da mama. A quantidade de tempo em que o estrogénio circula no corpo depende de inúmeros factores. È importante recordar que podemos controlar alguns destes factores.

actividade resizeFactores que podem influenciar os níveos de estrogénio

  • Com que idade os seu períodos menstruais se iniciam e acabam – quanto mais tempo os estrogénios circulam pelo corpo, maior o risco
  • Ter filhos, com que idade e número de filhos – estudos têm demonstrado que a idade em que uma mulher tem o primeiro filho pode ser importante. Ter filhos na casa dos 20 e ter mais do que um filho pode ter efeitos protectores contra o cancro da mama. 
  • Se amamentou ou não e por quanto tempo – estatísticas têm demonstrado que a amamentação natural protege contra o cancro da mama assim como a duração de tempo da amamentação. Há no entanto algumas mulheres que não podem amamentar e isso não significa que vão ter cancro da mama.   
  • O seu peso corporal após a menopausa – mais recentemente, têm vindo a surgir evidências de que o peso após a menopausa está associado a um maior risco, isto porque uma mulher na pós-menopausa continua a produzir estrogénio proveniente das células de gordura do seu corpo.
  • TSH – A Terapia de Substituição Hormonal pode aumentar o risco de cancro da mama. Esse risco pode aumentar ao longo da terapia e diminuir, gradualmente, se a terminar. Se efectua este tipo de tratamento e tem dúvidas em relação ao seu caso específico, consulte o seu médico.
  • Pílula – Tomar contraceptivos por via oral pode causar um pequeno aumento de risco. Este risco volta gradualmente ao normal se parar de os tomar.

Outros Factores:

  • Historia familiar – o seu risco é maior se um familiar próximo teve cancro da mama antes dos 50 anos, ou se dois ou mais familiares foram afectados pela doença. Se tem uma forte história familiar, e está preocupada com o risco, informe-se convenientemente com o sue médico. Pode necessitar de iniciar os exames de rastreio entre os 25/30 anos, dependendo do risco.
  • Alcool – Ingerir bebidas alcoólicas aumento o risco de cancro da mama. O risco aumenta consideravelmente em função da quantidade que ingerir por dia.

nao fumar rsSe considera alterar o seu estilo de vida, é importante que fale com o seu médico de família e pondere os benefícios e os riscos detalhadamente.

Outros problemas mamários e risco de cancro da mama

Nove em cada dez mulheres que vão ao médico têm um diagnóstico benigno e não maligno (não cancerígeno) da mama. Isto não significa que tenham um maior risco de desenvolver cancro da mama. Existem alguns casos especiais que deverão ser discutidos com o médico de situações como a hiperplasia atípica que confere um risco aumentado de vir a ter cancro da mama. 

Os conteúdos acima foram cedidos pelo Breast Cancer Care

 

 

Densidade Mamária

Pode já ter ouvido falar sobre a importância da densidade mamária numa mamografia, que surgiu como um fator de risco para o cancro da mama em mulheres. Mas o que é exatamente a densidade mamária e como muda ao longo da vida? Qual é o seu papel no cancro da mama? Como é que sabe se tem mamas densas? E se tem mamas densas, há alguma coisa que pode fazer para reduzir o seu risco de cancro da mama?

Risco de densidade mamária e cancro da mama

As mulheres com mamas muito densas têm mais probabilidade de desenvolver cancro da mama do que as mulheres com baixa densidade mamária. Neste momento, não se conhece ainda a relação da densidade mamária com o cancro da mama. Os investigadores estão a estudar muitos possíveis mecanismos no corpo que podem explicar esta relação.

O que é densidade mamária?

A densidade mamária é uma medida usada para descrever a proporção dos diferentes tecidos que compõem a mama de uma mulher. A densidade mamária é visto numa mamografia e compara a percentagem do tecido glandular e fibroso com a gordura. Os tecidos glandular e fibroso são mais densos e aparecem brancos e a gordura é menos densa e aparece mais escura. Como os tumores benignos ou malignos também aparecem brancos, as mamografias das mamas densas são mais difíceis de interpretar.

densidade mamaria rx site

Imagens de mamografias que mostram as diversas densidades mamárias desde o tipo 1 com mais gordura ao tipo 4 com mais tecido glandular.

Aceda aqui ao artigo completo em pdf                     Aceda aqui à factsheet sobre densidade mamária

Infelizmente a ciência ainda não sabe a causa do cancro da mama mas sabemos que há coisas que NÃO são perigosas
1) O soutien – pode usar, não usar, usar com aros, sem aros, ao dormir, preto, rosa – o que quiser porque o seu soutien não vai causar o cancro da mama.

Saiba mais:http://cebp.aacrjournals.org/content/early/2014/08/27/1055-9965.EPI-14-0414.abstract

Mas vale a pena ter um soutien confortável:http://www.laco.pt/cancro-mama/prevenção-riscos/soutiens

2) Desodorizante/anti-transpirante

Saiba mais:http://www.breastcancercare.org.uk/breast-cancer-information/breast-awareness/frequently-asked-questions/do-deodorants-antiperspirants-cause-breast-cancer

http://www.cancer.org/cancer/cancercauses/othercarcinogens/athome/antiperspirants-and-breast-cancer-risk

http://www.cancerresearchuk.org/.../cancercon.../deodorants/

3) “levar uma pancada”

http://www.breastcancercare.org.uk/breast-cancer-information/breast-awareness/frequently-asked-questions/can-injury-breasts-cause-breast-cancer

4) pintar o cabelo ou usar champô

http://ww5.komen.org/ContentNoSidebar.aspx?id=5956&terms=coloring+hair
http://ww5.komen.org/Content.aspx?id=6442451903

5) stress – sem duvida o stress não é bom para a nossa saúde porque dormimos mal, comemos pior, podemos abusar cafeína, nicotina, álcool e mais e não prestamos atenção a saúde mas o stress não causa o cancro da mama.

http://www.breastcancercare.org.uk/breast-cancer-information/breast-awareness/frequently-asked-questions/does-stress-cause-breast-cancer

http://www.cancerresearchuk.org/.../stress-and-cancer2

Mais informações sobre as polémicas em relação as causas do cancro:

http://www.cancerresearchuk.org/cancer-info/healthyliving/cancercontroversies/

 
Voltar
 
 
Aviso: A informação contida neste site é necessariamente de carácter geral e não constitui nem dispensa uma consulta médica apropriada.