mamografia

A mamografia é uma radiografia da mama. Pode ajudar a detectar o cancro da mama antes que surjam sinais ou sintomas. 

Ir fazer uma mamografia

mammogram rsMulheres com menos de 45 anos não são aconselhadas a fazer uma mamografia, isto porque, em mulheres mais jovens, a densidade do tecido mamário torna mais difícil a interpretação de uma mamografia (radiografia mamária) e consequentemente a detecção de problemas. Também porque a incidência de cancro da mama nesta faixa etária é muito menor

Fazer uma mamografia não impede que surja cancro na mama. É importante que continue a estar alerta e informar o seu médico se notar alterações nas suas mamas, mesmo que tenha feito uma mamografia recentemente, já que o cancro pode surgir entre mamografias.

 

Limitações das mamografias de rotina

A mamografia é a forma mais segura (cientificamente provada) de se detectar o cancro da mama a tempo, mas, tal como outros exames, não é perfeito. Por exemplo, nem todos os tipos de cancro da mama podem ser detectados numa mamografia, alguns cancros da mama são muito difíceis de detectar ou, muito ocasionalmente, os médicos que vêem os exames podem não reparar no cancro, ainda que tenham muita experiência.

Preocupações acerca de mamografia - sobre-tratamento

Alguns cancros ou alterações pré-malignas particulares de crescimento lento detectados através da mamografia podem nunca chegar a desenvolver-se ou podem crescer tão lentamente que nunca prejudicarão a mulher durante toda a sua vida. No entanto, é recomendado que todos sejam tratados, porque não é possível determinar como se irão desenvolver no futuro. No entanto, alguns médicos acham que esta descoberta de pré-cancros ou cancros de crescimento muito lento podem resultar em tratamentos e ansiedade desnecessários. 

Se tiver dúvidas acerca da mamografia, fale com o seu médico.

Conteúdos cedidos pelo Breast Cancer Care

Falsos positivos

Raramente uma mamografia pode indicar uma anomalia que depois de mais exames incluindo uma biopsia pode afinal ser uma coisa sem importância. Isto chama-se um falso positivo e pode causar ansiedade enquanto não sabe o resultado final. 

Qual a importância de fazer mamografias? 

 

mammogram denise sides tcm8-326762
A mamografia permite a detecção de lesões com grande precocidade e precisão e, está estatisticamente comprovado, cerca de 1 a 2 anos antes de serem palpáveis. Este exame não é doloroso na grande maioria dos casos, uma vez que, mais não é do que proceder a uma radiografia simples da mama que consiste numa ligeira compressão mamária durante alguns segundos. Aconselha-se a realização da mamografia quando a mama se encontra menos sensível, menos tensa, ou seja, a seguir à menstruação (idealmente na 1ª semana). Contudo, a fase do ciclo não afecta a sensibilidade do exame.

 

 Saiba mais sobre o programa de rastreio.

 

 

Vou hoje para a minha primeira mamografia.  O que vai acontecer?

A mamografia permite obter imagens usando tecnologia de raio-X e permite a detecção de lesões com grande precisão - cerca de 1 a 2 anos antes destas serem palpáveis.

A dose de radiação é muitíssimo inferior que por exemplo à de uma radiografia ao tórax. Com mamografia digital directa a redução da dose é ainda maior.
Antes de fazer uma mamografia não é preciso estar em jejum. 

Um(a) técnico(a) especializado(a) em mamografia conduz o exame. A situação de rastreio é diferente de diagnóstico e no rastreio a leitura do exame é feita por dois radiologistas de forma independente e em situações de diagnóstico a leitura subsequentemente é feita por um radiologista.

No dia do seu exame é boa ideia vestir uma camisa ou um top que possa tirar facilmente. É preciso tirar a roupa acima da cintura e vestir uma bata.
 
É melhor não usar desodorizantes ou pó de talco por baixo dos braços no dia da mamografia; podem aparecer no exame como calcificações.

Durante o exame, que normalmente demora 10 a 15 minutos no total, cada mama é comprimida entre duas placas e um raio-X é tirado. Obtêm-se duas imagens – de cima para baixo e de um lado por outro lado. 

Pode sentir algum desconforto da compressão, mas esta parte do exame é muito rápida – uns segundos. Na fase de pré-menopausa pode ser aconselhável agendar o exame para a semana depois da sua menstruação, para diminuir o desconforto.

Em alguns casos é necessário obter imagens adicionais, para obter mais informação. A repetição do exame não significa que tenha algum problema grave. Na grande maioria dos casos serve apenas para esclarecer qualquer dúvida. 

O que fazer quando recebe os resultados da mamografia?

Como em todos os exames que são realizados, estes devem ser mostrados ao médico assistente que os requisitou. No entanto poderá haver alguns indicadores da rapidez com que os deve mostrar.

No caso da mamografia, é emitido um relatório pelo médico radiologista que contém informação importante ajudando a esclarecer o resultado do seu exame e a consequente transmissão ao seu médico.
 
O relatório médico fará menção ao padrão mamário, aos achados do exame clínico, mamografia e ecografia, à comparação com exames prévios e terá uma conclusão com recomendação final que inclui classificação numa categoria BIRADS.
 
Existem quatro padrões mamários que influenciam a sensibilidade da mamografia. Padrão denso, heterogeneamente denso, densidades fibroglandulares dispersas e padrão adiposo. Quanto menor a densidade, maior a sensibilidade da mamografia.
A comparação com exames prévios é fundamental. Existem pequenas alterações que só se detectam quando se comparam os exames actuais com os anteriores. Por isso não se deve desfazer dos exames de mamografia e sempre que fizer um novo exame deve levar consigo os antigos.
 
No relatório irá encontrar a designação BI-RADS (Breast Imaging Reporting and Data System). O BI-RADS foi desenvolvido pelo American College of Radiology, em 1993 e fornece uma classificação estandardizada para os estudos mamários (mamografia, ecografia, ressonância magnética). Este sistema ajuda a melhorar a comunicação, reduz alguma confusão na interpretação, ajuda a investigação e facilita a monitorização. O sistema BI-RADS pode informar o seu médico de família dos achados importantes, identificar o acompanhamento adequado e promover a prestação de apoio educacional e emocional.
 
Como posso interpretar a informação no relatório da minha mamografia?

 Categoria BI-RADS - American College of Radiology (ACR) criado em 1993. Ultima revisão em 2003.

 

BI-RADS Categoria Avaliação Recomendações Clínicas
0 Avaliação incompleta Necessidade de rever estudos anteriores e/ou completar com imagiologia adicional
1 Negativo Continue com a avaliação de rotina
2 Achado benigno Continue com a avaliação de rotina
3 Achados provavelmente benignos
Mamografia de follow-up a curto prazo em 6 meses, depois de 6 a 12 meses por 1 a 2 anos
Nessa categoria o risco de malignidade é menor ou igual a 2%
4 Anomalia Suspeita
Realização de biopsia, de preferência biopsia com agulha
Categoria 4A: baixo grau de suspeição. 
Categoria 4B: suspeição intermédia 
Categoria 4C: alto grau de suspeição.
5 Altamente sugestivo de malignidade; deve ser tomada acção apropriada
Biopsia com agulha e tratamento.
Nessa categoria o risco de malignidade é maior ou igual a 95%
6 Malignidade conhecida comprovada por biopsia, tratamento pendente Assegurar que o tratamento é completado

Qual a importância da ecografia mamária?

A ecografia mamária por si só não se constitui como um método útil para o rastreio do cancro da mama, na medida em que, ao contrário da mamografia, não consegue detectar uma grande percentagem de lesões subclínicas como as microcalcificações. Todavia, continua a ser um método auxiliar da mamografia da maior importância. Ajuda a distinguir se os nódulos detectados pela mamografia apresentam características benignas ou malignas. É um método complementar da mamografia absolutamente indispensável e tanto mais quanto mais densa é a mama.

  

 
Voltar
 
 
Aviso: A informação contida neste site é necessariamente de carácter geral e não constitui nem dispensa uma consulta médica apropriada.