terapia hormonal

Tamoxifen tabletsPoderão aconselhá-la a fazer tratamento hormonal se o seu cancro da mama é positivo para os receptores hormonais. Este tipo de cancro da mama tem receptores na superfície das células que se ligam à hormona feminina estrogénio, que estimula o crescimento das células cancerígenas.
 
Os cancros positivos ao receptor estrogénio representam cerca de 75% dos casos de cancro da mama em mulheres pós-menopáusicas e cerca de 50 a 60% em mulheres pré-menopáusicas. Hoje em dia, faz-se um teste de rotina aos receptores hormonais em tecido obtido através de uma biopsia ou após a operação de remoção do cancro da mama.
 
Uma pequena proporção de cancros da mama (cerca de 5%) é sensível somente à progesterona, o que pode indicar que responderão à terapia hormonal. Neste caso, o seu médico especialista irá falar consigo sobre os benefícios e riscos do tratamento hormonal.
 
E se o meu cancro da mama não for positivo a hormonas receptoras?
 
Se o seu cancro da mama não for sensível a hormonas (tumores com expressão negativa para receptores hormonais), o tratamento hormonal não lhe será sugerido. Se for este o caso, poderão sugerir-lhe somente a quimioterapia, ou poderá não precisar de mais tratamentos.
 
Em que casos se poderá indicar a terapêutica hormonal?
A terapia hormonal pode ser indicada em diversas situações:
·A terap­êutica hormonal adjuvante é um tratamento adicional que reduz o risco do cancro da mama voltar a surgir. O tratamento normalmente é iniciado após a cirurgia mas, se também estiver a fazer quimioterapia, provavelmente começará depois desta terminar.
·A terap­êutica hormonal primária (neo-adjuvante) é o uso da terapia hormonal antes da cirurgia. Pode ser feita para reduzir o tamanho do cancro da mama antes da cirurgia.
·A terapêutica hormonal pode ser usada sozinha como tratamento para o cancro da mama, por exemplo, em pessoas que têm outras doenças tais como doenças pulmonares ou cardíacas que impeçam a cirurgia ou radioterapia. Pode, também, ser uma opção para quem não deseja ser operado.
·A terapêutica hormonal é usada para tratar recorrências locaisou regionais e cancro secundário, tanto isoladamente como em conjunto com outros tratamentos, dependendo dos que já tenha feito anteriormente. Se o seu cancro da mama voltar a surgir enquanto já estiver a fazer a tratamento hormonal, provavelmente ser-lhe-á sugerido um outro tipo de terapêutica hormonal. 
·Há estudos que vêem o tratamento hormonal como forma de prevenção para mulheres que se saiba estarem em alto risco de virem a desenvolver cancro da mama.
 
Diferentes medicamentos hormonais
 
Há testes clínicos a decorrer permanentemente que procuram, em novos medicamentos ou em medicamentos já existentes, novas formas de usá-los para tratar o cancro da mama. Alguns dos medicamentos hormonais mais frequentemente usados são listados abaixo:
·Anti-estrogénios – O Tamoxifeno é administrado a mulheres em pré ou pós menopausa e a homens com cancro primário da mama. Pode, também, ser administrado a pessoas comrecorrência regional ou cancro secundário da mama.
·Agonistas LHRH – O Zoladex (goserelina) é usado no tratamento de mulheres em menopausa com cancro primário ou secundário da mama. Pode ser usado em conjunto com o Tamoxifeno e há testes clínicos que sugerem que seja administrado em conjunto com inibidores da aromatase. Está, também, a ser usado em testes clínicos, a fim de se estudar a possibilidade deste preservar a fertilidade em mulheres mais jovens que estejam a fazer quimioterapia.
·Inibidores da aromatase – existem vários inibidores da aromatase disponíveis para mulheres em pós-menopausa e o seu médico especialista terá em consideração diversos factores ao decidir qual será o mais adequado no seu caso.
Os medicamentos afectam as pessoas de muitas formas, por isso, se um determinado medicamento não for o mais indicado para si, há outros que poderão ser os mais adequados no seu caso. Há diversos inibidores da aromatase próprios para o uso em diferentes circunstâncias.
·Arimidex® (anastrozole) é usado como tratamento no cancro primário ou secundário da mama e recorrência regional em mulheres em pós-menopausa. Pode ser usado como única forma de terapia hormonal. Em alternativa, as mulheres com cancro primário da mama podem passar a usar Arimidex, seguindo-se dois ou três anos de Tamoxifeno.
·Femara® (letrozole) é usado no tratamento do cancro primário e secundário da mama e recorrência regional em mulheres em pós-menopausa. O femara pode, também, ser administrado em mulheres em pós-menopausa com cancro primário da mama, como extensão ao seu tratamento, uma vez que tenham completado cinco anos de terapia com Tamoxifeno. 
·Aromasin® (exemestane) é usado tanto no tratamento do cancro primário ou secundário da mama em mulheres em pós-menopausa com cancro da mama secundário. No cancro primário da mama, é usado após dois ou três anos de Tamoxifeno.
 
Medicamentos mais recentes
 
O Faslodex® (um medicamento anti-estrogénio) é usado em mulheres em pós-menopausa com cancro secundário da mama ou recorrência regional de cancro da mama. Uma vez que actua de forma diferente, poderá não causar alguns dos efeitos secundários associados ao Tamoxifeno.
Efeitos secundários
Todas as pessoas reagem de diversas formas a medicamentos e algumas poderão sentir mais efeitos secundários do que outras. Os efeitos secundários são geralmente controláveis e, na maior parte das vezes, melhoram com o passar do tempo, à medida que o corpo se habitua ao medicamento. Alguns efeitos são comuns a todos os tratamentos hormonais, enquanto outros são específicos de medicamentos individuais.
O melhor será falar com o seu médico especialista ou enfermeiro se sentir algum efeito secundário. Eles quererão ser informados sobre quaisquer dificuldades que possa sentir e poderão aconselhá-la sobre como poderá gerir esses problemas.
Não é de todo invulgar que alguém deixe de fazer terapêutica hormonal devido aos efeitos secundários. No entanto, se os efeitos secundários do seu tratamento hormonal lhe desagradam, é importante que fale com o seu especialista antes de tomar qualquer decisão.
Há muitas formas de melhorar os sintomas ou em algumas situações, o seu médico especialista poderá indicar-lhe outro tipo de medicamento.
 
Arimidex®, Aromasin® e Femara®
Estes três medicamentos, conhecidos como inibidores da aromatase, funcionam todos de forma semelhante, o que significa que partilham muitos dos mesmos efeitos secundários, embora haja algumas variações. Para mais detalhes, pode verificar a informação impressa que vem com os seus comprimidos.
 
 Efeitos secundários mais comuns
 
·Calores (afrontamentos)
·Suores nocturnos
·Secura vaginal ou irritação
·Perda de desejo sexual
Se estiver a sentir efeitos secundários semelhantes aos da menopausa, tais como calores, suores nocturnos ou secura vaginal, então poderá achar útil ler as nossas informações sobre como lidar com sintomas menopáusicos.
·Dores nas articulações
As dores nas articulações são um efeito secundário comum do Arimidex®, Femara® ou Aromasin®. Por vezes, este sintoma melhora com o passar do tempo. Se sente dores nas articulações, fale com o seu médico de família ou oncologista, que poderão ajudar, sugerindo-lhe soluções como a toma de anti-inflamatórios.
·Diminuição da força óssea 
O tratamento com medicamentos inibidores da aromatase reduz a quantidade de estrogénios no seu corpo. A perda de estrogénios durante um longo período de tempo pode aumentar o risco de osteoporose (menor densidade do osso). Antes de tomar Arimidex®, Femara® ou Aromasin®, normalmente deverão sugerir-lhe que faça um exame para verificar a sua densidade óssea, o que poderá ser repetido regularmente enquanto estiver a fazer o tratamento.
 
Efeitos secundários menos comuns
 
·Náuseas, vómitos ou diarreia
·Erupções cutâneas
·Dores de cabeça
·Sonolência
·Cabelo mais fino
·Sentimentos negativos e depressão
 
Estes sintomas tendem a diminuir e a melhorar com o tempo e podem normalmente melhorar se tomar o seu comprimido às refeições. Se os sintomas não melhorarem, fale com o seu médico especialista.
 
Efeitos secundários raros
 
·Sangramento vaginal
Este pode acontecer nas primeiras semanas após o início do tratamento e normalmente ocorre quando se muda de um para outro medicamento hormonal. Se o sangramento persistir, deverá falar com o seu médico especialista.

Ablação e supressão dos ovários

Ablação dos ovários e supressão dos ovários são os termos médicos usados para descrever o acto de remover os ovários ou impedi-los de funcionar, tanto temporária como permanentemente. Isto pode ser conseguido através de cirurgia para a remoção dos ovários, radioterapia aos ovários ou por um medicamento chamado Zoladex (goserelina), que “desliga” a produção da hormona estrogénio dos seus ovários. 
Os efeitos secundários irão depender do método usado para a ablação ou supressão dos ovários. No entanto, como todos estes métodos resultam no impedimento da produção de estrogénio pelos ovários, muitos dos efeitos secundários serão os mesmos.
 
Os efeitos secundários mais comuns na ablação ou supressão dos ovários são os sintomas de menopausa, que podem incluir:
·Calores (afrontamentos)
·Suores nocturnos
·Secura ou irritação vaginal
·Perda de desejo sexual.
Dores nas articulações
Dores ou rigidez nas articulações poderão ser um efeito da ablação ou supressão dos ovários. Por vezes, estes sintomas melhoram com o tempo. Se sente dores nas articulações, fale com o seu médico de família ou com o médico especialista de oncologia que poderão ajudá-la, sugerindo-lhe, por exemplo, a toma de medicamentos anti-inflamatórios para as dores.
Diminuição da força óssea
A ablação ou supressão dos ovários reduz a quantidade de estrogénios no corpo. A falta de estrogénios por um longo período de tempo pode aumentar o risco de osteoporose (enfraquecimento dos ossos). Se o seu tratamento envolver a ablação ou supressão dos ovários, poderão sugerir-lhe que faça um exame para verificar a densidade dos seus ossos.
 
Tamoxifeno
 
Efeitos secundários comuns
·Calores.
·Suores nocturnos.
·Secura vaginal ou irritação.
·Perda de desejo sexual.
·Indigestão ou náuseas moderadas (normalmente melhoram com o tempo).
·O período menstrual torna-se irregular ou mais suave.
·Pode deixar de ter o período enquanto estiver a tomar o Tamoxifeno, isto porque a menopausa já poderá ter ocorrido naturalmente ou outro tratamento, como a quimioterapia, ter causado a menopausa precoce. 
·Diminuição da densidade óssea em mulheres em pré-menopausa (isto parece não afectar as mulheres em pós-menopausa que estejam a tomar Tamoxifeno).
Efeitos secundários menos comuns
·Problemas de visão.
·Cabelo mais fino.
·Maior risco de coágulos sanguíneos (embora o risco global se mantenha baixo).
Devido ao risco de formação de coágulos sanguíneos, é especialmente importante que fale com o seu médico se tiver sintomas como inchaço ou dores nas pernas, ou sensação de falta de ar.  
·Membrana uterina mais espessa
·Pólipos, quistos do ovário ou, muito raramente, cancro do útero
É importante que diga ao seu médico de família ou oncologista se tiver sangramento vaginal inesperado, corrimento ou dores.

Conteúdos cedidos pelo Breast Cancer Care

 

 
Voltar
 
 
Aviso: A informação contida neste site é necessariamente de carácter geral e não constitui nem dispensa uma consulta médica apropriada.